Reações à minha interpretação de Caminho do Sertão
Em ordem cronológica inversa

Ho finalmente potuto visionare e, soprattutto, ascoltare le novità del sito. Non sono né un tecnico né un esteta, ma solo un modesto appassionato a cui la buona musica regala gioie, emozioni e occasionali lacrime. Vivo quindi di sensazioni, più che di analisi. Trovo che la definizione di “choro sertanejo lento”, da lei coniata per Caminho do sertão, sia veramente appropriata. Il ritmo è insolito per il genere e mi pare infonda alla melodia un pizzico di serena melanconia. A differenza di alcuni, amo molto le variazioni sul tema, un gusto che ho mediato dal jazz e che applico (probabilmente a sproposito, ma in tutta sincerità) anche nell'ascolto di altri stili. Pertanto, ho particolarmente apprezzato la sua lettura di questo brano. Da brasilofilo impegnato nella diffusione della cultura del Paese, infine, non posso che rallegrarmi e complimentarmi con lei, ancora una volta, per il prezioso lavoro che svolge.
Antonio Forni

* * *

Caro Angelo, abbiamo apprezzato molto l'implementazione del tuo ormai "enciclopedico" sito, sarei curioso di sapere dove hai potuto scovare questa ulteriore perla sconosciuta Caminho do Sertão, un brano dall'atmosfera saudosa e rilassata, ma improvvisamente capace di moderne e stimolanti modulazioni armoniche! E complimenti naturalmente per il tuo arrangiamento per due chitarre, come sempre ricco di contrappunti cantabili, inseriti con sapienza tecnica e buon gusto.
Trio Choro Carioca

* * *

Caríssimo Ângelo, ouvi o seu arranjo de Caminho do Sertão. Então é este o novo choro que foi descoberto do Pernambuco? Como sempre você faz um arranjo muito competente, explorando de modo rico o intercalar dos dois violões.
Alexandre Dias

* * *

Ho ascoltato con qualche attenzione in più il tuo arrangiamento di Caminho do Sertão perchè, contrariamente agli altri, questo mi convinceva un po' meno fin dall'inizio (scusa la franchezza) e ho voluto darmi del tempo per verificare che non si trattasse solo di una prima impressione. A me pare che l'introduzione e la coda siano ben fatte, avrei qualche riserva invece sull'esposizione tematica. Bene la prima parte di A, forse meno la seconda: ho l'impressione che il tema "si nasconda" troppo nell'accompagnamento e, almeno con i suoni del MIDI, non sia evidente come dovrebbe. In qualche misura avverto le dissonanze (ritardi o anticipazioni) come troppo significanti armonicamente. Probabile che il gioco contrappuntistico incida in questo senso e che un'interpretazione "live" elimini in parte questa sensazione. Per il resto, come dicevo, il consueto encomio alla perizia dell'autore che, a questo punto, meriterebbe forse "cimenti", per impegno e contenuto, più degni del suo talento. Come al solito prendi queste osservazioni con le molle, il lavoro è comunque pertinente e "fedele" al suo modello.
Vittorio Cecchetto

* * *

Caro Angelo, quante ricche novità nel tuo sito! Bellissimo il tuo arrangiamento di Caminho do Sertão. Ho molto apprezzato la Coda e le variazioni: ottima l'idea di inserirle (le ripetizioni dei ritornelli, come nel ragtime, sono fatte apposta per variarle!). E piluccando qua e là nella pagina dei tuoi arrangiamenti di Pernambuco, ho scoperto varie altre gemme come Harmonicos, Mimoso e Sentindo!
Penso che il lavoro che stai svolgendo col tuo sito sia davvero prezioso, perchè ci restituisce un pezzo di storia musicale tanto importante quanto affascinante. Oltretutto, questo tuo lavoro è un vero e proprio atto d'amore che non si limita a un (inestimabile) recupero filologico, ma lo rende vivo grazie ai tuoi arrangiamenti, che donano nuova vita alle musiche di questi grandi della MPB. Bellissime le immagini e il materiale che hai raccolto. Continua così!
Riccardo Scivales

* * *

Caro Angelo, ho visitato il sito e ho trovato splendide le fotografie che non avevo ancora visto, comprese le interessanti carte di identità di João Pernambuco, anche se per me la foto migliore è quella del 1926, dove si vede molto bene la modernissima impostazione della sua mano destra.
Caminho do Sertão è un pezzo meraviglioso e il suo arrangiamento è come sempre molto interessante, soprattutto nel ritmo della parte centrale. Credo che questo pezzo in particolare, ma anche la musica di Pernambuco in generale, dovrebbero essere introdotti nei programmi dei Conservatori di Musica, dove ancora oggi si studia troppo poco la musica per duo di chitarre.
Daniele Magli

* * *

Caro amigo Zaniol, entrei no seu site dedicado a João Pernambuco e fiquei admirado escutando as composições. Também sempre admirei suas obras. Já conhecia algumas tais como Sons de Carrilhões, Graúna, Brasileirinho, Interrogando. Para mim só Caminho do Sertão já o tornaria grande. [...] Gostei muito também do choro de sua autoria dedicado ao João, Dois Pinhos pra Sonhar. Alem de lindo é perfeito. Já lhe disse que se algum dia eu for à Itália, irei solicitar a você umas lições de português e agora também de como fazer choro. Meus parabens, você é fora de série. [...]
Outubrino Domingos De Moraes

* * *

Gentile professore, l'arrangiamento di Caminho do Sertão mi pare molto buono, come arrangiatore lei non si smentisce mai! Il sapore brasiliano si gusta dall'inizio alla fine del pezzo. Avevo pensato alla possibilità di aggiungere qualche tacca al metronomo, ma forse si rischia di perdere la cantabilità e l'atmosfera nostalgica che caratterizza il brano e il suo ambientamento.
Certo, qui la melodia non "attacca" come quella di altri pezzi, che basta ascoltarla una volta per ficcarsela nella testa e canticchiarla tutto il giorno: penso a brani come Brasilerinho, Choro em Sol, Valsa em Lá, Gritos d'Alma o il diabolico Sons de Carrilhoes, ma questo è un gusto personale. Mi piacerebbe trovare del tempo e soprattutto un collega chitarrista per registrare alcuni pezzi e poterli sostituire al "piatto" MIDI file.
Andrea Zuin

* * *

Olá querido Angelo! Ouvimos a beleza de Caminho do Sertão do grande João Pernambuco e seu belíssimo arranjo dentro da linguagem do compositor. O que mais nos toca nisso tudo, é ver, além do seu talento, a sua enorme paixão e dedicação na preservação desse grande gênio da música brasileira. É de fato tocante!
Carlos Henrique Machado Freitas e Celeste Silveira

* * *

Caro Angelo, gostei muito do seu arranjo, que achei muito bem estruturado. As harmonias mais modernas caíram muito bem e não descaracterizaram o estilo musical.
Duda Anizio

* * *

Meu amigo Angelo, divulguei sua mensagem aos quatro cantos e aos quatro ventos. Isso é o mínimo que posso fazer. O seu trabalho é digno e necessário, merecedor de toda nossa atenção: é uma aula para todos os brasileiros. O divulguei para o coletivo “Os amigos de 68” e para o Blog de Nassif, que tem 1 milhão de acessos por mês.
Urariano Mota

* * *

Caro amigo Angelo, só hoje abri a Internet e pude ouvir seu arranjo para Caminho do Sertão que está realmente muito bonito, minha mãe também gostou muito. Vi, hoje, o comentário na seção de Notícias que enaltece os aspectos técnicos do seu trabalho. Parabéns mais uma vez !
Mauro C. M. Rodrigues

* * *

Caro Angelo, ti ringrazio del nuovo pezzo sertanejo che mi hai mandato e che trovo gradevolissimo. Hai scritto un arrangiamento di gran lusso, che i brasiliani potranno ascoltare solo con considerazione e ammirazione. Tra introduzione, variazioni e coda hai confezionato un brano “pressoché” perfetto. Dico così perché, dal punto di vista della pratica esecutiva, anche se si tratta di un brano lento, mi pare necessario sistemare la diteggiatura in modo razionale per non finire, alla fine dell'esecuzione, con la lingua penzoloni. Ma questo è solo il parere mio, cioè di uno che si è completamente arruginito e che non sa suonare più un cavolo in modo decente.
Pasquale Sacceddu

* * *

Caro amigo Angelo Zaniol, li a partitura do seu arranjo de Caminho do Sertão e ouvi o arquivo MIDI. Gostei muito. Fica claro sua sensibilidade na percepção de um estilo de época, muito importante para a música brasileira. A Introdução e Coda têm muito do lirismo de nossa música “Seresteira”. Ficou lindo. As variações deram à música um caráter típico da forma improvisada (como os músicos dos Regionais de Choro tocam). Achei a harmonia de certos trechos forte também, lembrando algumas coisas do Garoto (Aníbal Augusto Sardinha). Se ela é original, realmente me surpreende, pois embora a música de João Pernambuco seja muito rica em cromatismos, ele normalmente os utiliza de uma forma muito espontânea, através de aproximações cromáticas e utilização de acorde paralelos (coisas que se repetem às vezes em Villa-Lobos, no Estudo nº 1 principalmente).
Enfim, são detalhes. Você pode se orgulhar do trabalho que tem feito pois, além de tudo, está inovando ao elaborar novos arranjos para dois violões, propondo novas idéias musicais. Temos muito que te agradecer.
Geraldo Vianna

* * *

Caro Angelo, acabo de me emocionar ouvindo seu arranjo para essa linda música que é Caminho do Sertão. Parabéns pelo excelente trabalho! Tudo está muito bom, destacando a introdução onde o andamento vai ralentando, fechando com um baixo de violão no estilo Dino 7 Cordas e Conjunto Época de Ouro. Quanto ao material disponibilizado recentemente no site, a colaboração da senhora Valdinéia foi realmente fantástica. O esclarecimento sobre o grau de instrução de João Pernambuco vêm desfazer alguns mitos, que tradicionalmente são criados, pricipalmente quando a história fala de músicos.
Leonardo Fernandes

* * *

Caro Angelo, o arranjo está irretocável, não consigo pensar em nenhuma modificação, escutei o MIDI diversas vezes e o máximo que meus ouvidos detectaram foi uma harmonia mais modernizada em algumas passagens, mas posso estar enganado, já que não conheço a música original. De qualquer forma, eu não modificaria uma nota sequer, o arranjo está excelente. [...].
Acho absolutamente injusto comparar a interpretação de um MIDI com uma gravação de dois músicos, mas notei que o MIDI parece dar mais ênfase no aspecto do choro, enquanto que o duo [de violões Carrilho-Aragão] buscou destacar uma parte do saudosismo sertanejo que volta e meia se manifestava na obra de João Pernambuco. Isso a gente percebe no uso de terças (inspiradas na viola caipira), nos baixos cantados de forma menos acentuada que no choro. É um lamento sertanejo cantado em forma de seresta carioca, de choro saudosista. Obviamente, caberá aos músicos que tocarem o seu arranjo dar o colorido que acharem mais adequado.
Eugênio Reis

* * *

Meu caro amigo Angelo, fiquei perplexo com o tempo que você usou para fazer esse arranjo! Apenas um dia e meio! Uma obra de grande envergadura! Realmente alguma força invisível deu-lhe o necessário apoio para essa tarefa. Quanto ao arranjo, não tenho o que comentar, uma vez que não ouvi o original, mas garanto-lhe que, ao ouvi-lo, percorreu-me por todo o corpo um arrepio muito forte! Não sei a que devo tal reação, mas uma coisa eu sei: ficou simplesmente maravilhoso!!! Adorei ouvir essa música, com a “baixaria”, aquela parte em que os baixos predominam, várias appoggiaturas, e nas “primas”, partes tocadas em dueto... Ah! que saudades me deu dos meus velhos tempos tocando com os amigos hoje tão distantes, muitos já tocando no céu dos instrumentistas!
Gostei demais dessa música, e ela me dá uma sensação estranha de como já tivesse sido parte de meu repertório, fato impossível, pois jamais a tinha ouvido, mas tem alguns compassos que, sem pudor algum, confesso-lhe que chego às lágrimas ou ouvi-los, a saber, os compassos 22, 23.... 28, 29, 30 e 31! Alguma variação melódica fica tão triste e chorosa, que não dá para segurar as lágrimas que me vem aos olhos! É, meu caro, sou muito sentimental e sensível à boa música, e certas músicas me deixam muito emocionado.
Ary N. Neiva

* * *

Caro Angelo Zaniol, seu arranjo do choro Caminho do Sertão me emocionou; por conseguinte, do ponto de vista estético, ele está aprovado com distinção e louvor.
Luiz Otávio Savassi Rocha

* * *

Angelo, caro amigo, a gente escuta essa música e sai voando. É incrível a beleza e fluidez dela. Gênio absoluto esse Pernanambuco. Sua variação da 2ª parte está belíssima, principalmente porque dá uma sensação de maior transcendência, de continuidade, que a repetição literal não traria com tanta força. [...]. Embora eu ache horroroso o Mide File, em alguns aspectos, como tudo na vida, ele é positivo pois às vezes é preciso deixar a música falar por si, sem ressaltar demais trechos já fortes suficientemente.
Hélio Amaral